domingo, 28 de fevereiro de 2010

A baía da vergonha

Trata-se de um documentário realizado por activistas, que conseguiram infiltrar-se numa enseada secreta no Japão, para expôr um dos mais chocantes e inimagináveis crimes contra natura de que há memória.
Nomeado para um Óscar o documentário "THE COVE", que mostra uma matança de golfinhos, dá um retrato brutal da crueldade e alienação humana.

 

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Revista MAD

Na minha adolescência adorava a revista americana MAD Magazine. 
Comprava-a na Bertrand na Rua Garrett, sempre que nela vinham reproduzidas em banda desenhada sátiras bem divertidas aos filmes que estavam a ter mais sucesso nos EUA, que muitas das vezes demoravam um ano ou mais até estarem em exibição nos nossos cinemas. 
Dava-me imenso gozo.
Depois destes anos todos pensei que a revista já não existisse, mas surpreendentemente ainda se encontra nas bancas.

Para além do seu conteúdo, espalhavam pelos cantinhos das suas páginas uns pequenos e giríssimos cartoons.
Não podia deixar de colocar aqui alguns.
 

  

  

  

  


 

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Ser fumador=Menos inteligência


De acordo com um estudo com mais de 20.000 recrutas militares israelitas, os fumadores de cigarros têm um QI mais baixo que os não-fumadores, e quanto mais uma pessoa fuma, menor é o seu QI.
Segundo um estudo do Dr. Mark Weiser e colegas do Centro Médico Sheba, em Tel Hashomer, descobriu-se que os homens jovens que fumam um maço de cigarros ou mais por dia tiveram coeficientes de inteligência 7,5 pontos mais baixo do que os não-fumadores.
Weiser e a sua equipa observou que, embora não haja evidência na ligação entre tabagismo e baixo QI, muitos estudos têm-se baseado nos testes de inteligência dados na infância, em que também incluíram pessoas com problemas mentais e comportamentais, que têm mais probabilidade de fumar e maior probabilidade de ter um QI baixo.
Para compreender melhor a relação entre tabagismo e QI, os investigadores observaram 20.211 jovens  com 18 anos, recrutados para o exército israelita.
O grupo não inclui qualquer pessoa com graves problemas de saúde mental, porque esses indivíduos são excluídos do serviço militar.
De acordo com os investigadores, 28% dos participantes do estudo fumavam pelo menos um cigarro por dia, cerca de 3% disseram que eram ex-fumadores e 68% nunca tinham fumado.
O QI médio para não-fumadores foi de cerca de 101, quando era de 94 para os homens que tinham começado a fumar antes de entrar no exército.
O QI caiu progressivamente,  conforme aumentavam o número de cigarros consumidos, de 98 para as pessoas que fumavam um a cinco cigarros por dia, para 90 para aqueles que fumavam mais de um maço por dia.
Um QI de 84 a 116 é considerado um indicador de inteligência média.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A Justiça Portuguesa

Li hoje a notícia de que o estado português foi obrigado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, a pagar uma indemnização a uma empresa pela demora de sete anos na decisão sobre um processo.
Meu Deus até sorri. 
Tenho um Processo de Inventário com o Nº 8017/05.2- no 4º Juízo de Competência Cível, a decorrer no Tribunal de Cascais desde 2004, portanto há 6 anos. 
Falta um  ano para os sete, mas não terei a sorte de receber qualquer indemnização. 
Em Março de 2008, resolvi consultar o processo que continuava a aguardar a avaliação do património, do meu ex-marido que me deixou em testamento parte dos seus bens, a ser  executada por um TOC (Técnico Oficial de Contas).

Se todos os cidadãos que têm o azar de ter de recorrer aos tribunais nacionais resolvessem protestar pela demora da justiça portuguesa, então o Orçamento de Estado não chegava para pagar tanta indemnização.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Orquestra traz Mozart para o coração de África


Em Kinshasa, o berço da rumba congolesa, 200 membros de uma congregação da igreja local conseguiram criar uma orquestra sinfónica para levar Handel, Mozart e Beethoven ao coração de África.
Eles são uma mistura heterogénea de costureiras e lojistas, alunos e estudantes, cabeleireiros e funcionários públicos, fazem todos parte de uma orquestra que aborda as grandes obras da tradição clássica ocidental.
Nos seus fatos e vestidos de cetim negro, têm vindo a a melhorar o seu desempenho para aumentar a sua aclamação, desde que foram formados há 16 anos.
“Em África e mesmo no mundo, nunca irão ver uma orquestra como a nossa, consistindo inteiramente de negros", proclamou Armand Diangienda, director musical da Orquestra Sinfónica Kimbanguista , que ajudou a fundar em 1994.
"É uma orquestra de amadores", acrescentou, "mas não é apenas uma orquestra que pode tocar Beethoven e Mozart." disse Diangienda, de 46 anos, que é neto de Simon Kimbangu, fundador da Igreja Kimbanguista, com cerca de 10 milhões de seguidores na República Democrática do Congo  com uma população de 60 milhões.
O público destes músicos consiste principalmente de pessoas brancas atraindo também maestros estrangeiros, alguns dos quais fizeram a viagem até as margens do rio Congo, para conduzi-los em concerto.
Tendo começado com apenas uma dezena de músicos, incluindo cinco violinistas, agora o seu número é um record, os líderes da Orquestra Sinfónica Kimbanguista não esperavam que a orquestra "assumisse estas proporções".
Um documentário intitulado "Kinshasa Symphony", feito na capital, no Verão e no Outono de 2009 pelos directores alemão Claus Winsmann e Martin Baer, está a ser divulgado no Festival de Berlim.
O filme mostra o quotidiano de alguns dos 185 músicos instrumentais e dos 110 elementos do coro, incluindo ensaios e como eles conseguem conciliar a sua paixão com suas actividades profissionais.
"Os músicos não vieram aqui para ganhar um salário, mas sim para glorificar Deus", disse Armand Diangienda, maestro e músico autodidacta, fã da Orquestra Filarmónica de Berlim.
Segundo Diangienda, que conduziu a Nona Sinfonia de Beethoven e a valsa Danúbio Azul de Strauss, "a música clássica é uma maneira de expressar a nossa alegria e as nossas desgraças." Algumas pessoas, como a corista de 40 anos Angele Yala, dizem que ganham das sessões musicais "motivação espiritual".
Entre os dois ensaios da "Hallelujah Chorus" de "O Messias de Handel," a colega Aurelie Bode, que passou 13 de seus 27 anos cantando no coral, declara: "É só a morte que me irá separar da Orquestra Sinfónica Kimbanguista”.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Mãe, há só uma!

Hoje Domingo, foi passado como sempre com a minha mãe que já tem muita idade mas  que consegue manter uma inteligência e raciocínio invejável, creio que pelo seu contínuo interesse pela leitura, principalmente temas sobre história e política. 
Eu fui a última filha, já muito tardia,  mesmo no termo da sua fertilidade.
Na minha infância lembro comentários sobre a sua idade, em relação à das mães das outras crianças. Mas tomara as outras mães terem a capacidade para enfrentar o que a minha  mãe teve de viver. Teve a infelicidade do seu segundo filho e único rapaz ter nascido com espinha bífida.
Durante a infância do meu irmão vi-a a lutar e a enfrentar os directores das escolas e liceus para que permitissem que ele frequentasse os estabelecimentos de ensino destinado a crianças normais. 
Naquele tempo não havia distinção para os problemas das crianças, fossem físicos ou mentais eram todos metidos nas mesmas instituições. Felizmente tudo isso alterou-se pois de certo e lamentavelmente devem ter-se perdido mentes brilhantes ,só por terem mal formações congénitas e não terem entrada permitida nas escolas e liceus frequentados pelas crianças ditas normais. 
Felizmente o meu irmão, com todos os sacrifícios e cirurgías por que teve de passar,  formou-se em medicina com nota final de 18. 
Pois é, a minha mãezinha adora plantas e flores, nisso sei a quem saí.
Gostava de ter os olhos das suas cores, um verde e outro mel.
É uma mulher excepcional.
Jarra de flores da minha mãe

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Uma nova esperança no combate ao HIV

Na África do Sul,  5,5 milhões de pessoas vivem com HIV,  mais do que em qualquer outro país, enquanto 33 milhões de pessoas vivem com a doença no mundo. 
Especialistas em HIV têm andado há muito tempo à procura de um microbicida - um creme, gel ou anel vaginal que as mulheres ou os homens pudessem utilizar como um escudo químico para se protegerem da transmissão sexual do vírus mortal e incurável.
Várias substâncias têm sido testadas, sem sucesso, mas experiências  apresentadas esta semana na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, uma reunião científica de especialistas em HIV, sugeriu que as drogas contra o HIV podem ser a chave para fazer funcionar os géis.
"A próxima onda de compostos é em tudo baseada em medicamentos anti-retrovirais" disse o Dr. John Moore do Weill Cornell Medical College em Nova York.
A Equipa de Moore testou o novo medicamento da Pfizer, vendido sob o nome de Selzentry. Trata-se de uma nova classe de medicamentos chamados inibidores de entrada do CCR5, projectado para impedir que o vírus da imunodeficiência humana entre nas células humanas, usando um tipo de porta celular ou receptor chamado CCR5.
"Os inibidores de CCR5 são candidatos a serem uma alternativa, porque essas drogas não estão a ser usadas para tratamento, por exemplo, em África", disse Moore.
Isso significa que há menos risco de desenvolvimento de resistência - quando os vírus evoluem para contornar os efeitos das drogas.
A equipa de Moore teve uma abordagem única para a formulação do seu microbicida experimental, utilizando Selzentry.
Testes em macacos mostraram que protegeria uma fêmea da transmissão sexual durante cerca de quatro horas. "Não se pode aplicar estes géis de manhã e ter protecção à noite", disse Moore.
Um anel vaginal com um tempo de desprendimento da fórmula pode funcionar melhor para a protecção a longo prazo, disse Moore.
"A esperança é em pôr retrovirais no microbicida, podemos impedir o vírus de entrar ou replicar”.
O vírus do HIV, que infecta 33 milhões de pessoas no mundo e já matou 25 milhões, é na maior parte dos casos passado sexualmente.
Em África, as mulheres representam mais casos novos do que os homens e muitas vezes são infectadas pelos seus maridos.
Abstinência e uso de preservativos não são opções para as mulheres que tentam ter filhos, mas um microbicida seria.

Comezainas

Hoje ao almoço fomos todos à cachupa, num restaurante de um casal cabo-verdiano, no Fogueteiro. Também provámos muqueca de galinha.
Foi comer e beber à fartazana.
Segunda feira, lá vou eu ao castigo da ginástica pelo meu "crime" de gula.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Adopte um terrorista


Enviaram-me esta carta por mail e não resisto em colocá-la aqui.

Admirável sentido de humor
Eis a tradução da resposta VERDADEIRA que o  Ministro da Defesa canadiano dirigiu a uma boa alma que a ele se lamentava da sorte reservada aos «combatentes» afegãos, prisioneiros nos centros de detenção no Afeganistão. 

National Defence Headquarters
MGen George R. Pearkes Bldg, 15 NT
101 Colonel By Drive
Ottawa , ON K1A 0K2
Canada

Cara cidadã inquieta,
Obrigado pela sua recente carta exprimindo a sua profunda preocupação a propósito da sorte dos terroristas da Al Qaida capturados pelas forças canadianas, transferidos de seguida para o governo afegão e presentemente detidos pelos seus oficiais nos centros nacionais de reagrupamento de prisioneiros no Afeganistão.
A nossa administração toma este assunto muito a sério e a sua mensagem é recebida com muita atenção aqui em Ottawa.
Ficará feliz de saber que, graças à preocupação de cidadãs como a senhora, criámos um novo departamento na Defesa Nacional, que se chamará P.L.A.R.A., isto é, «Programa dos Liberais que Assumem a Responsabilidade pelos Assassinos».
De acordo com as directrizes deste novo programa, decidimos eleger um terrorista e colocá-lo sob a vigilância pessoal da senhora. O seu detido particular foi seleccionado e será conduzido sob escolta fortemente armada até ao domicilio da senhora em Toronto a partir da próxima segunda-feira.
Ali Mohammed Ahmed bin Mahmud (poderá chamar-lhe simplesmente Ahmed) será tratado segundo as normas que a senhora pessoalmente exigiu na carta de reclamação.
Provavelmente será necessário que a senhora recorra a assistentes. Nós faremos inspecções semanais a fim de nos certificarmos, com a mesma firmeza da sua carta, de que Ahmed beneficia realmente dos cuidados e de todas as atenções que nos recomenda.
Apesar de Ahmed ser um sociopata extremamente violento, esperamos que a sensibilidade da senhora ao que descreve como o seu «problema comportamental» o ajudará a ultrapassar as suas perturbações de carácter.
Talvez a senhora tenha razão quando descreve estes problemas como simples diferenças culturais.
Compreendemos que tenha a intenção de lhe proporcionar conselhos e educação ao domicílio.
O seu terrorista adoptado é temivelmente eficaz nas disciplinas de close-combat e pode dar fim a uma vida com objectos simples, tais como um lápis ou um corta-unhas.
Aconselhamo-la a não lhe pedir para fazer uma demonstração durante a próxima sessão do seu grupo de yoga.
Ele é igualmente especialista em explosivos e pode fabricá-los a partir de produtos domésticos. Talvez seja melhor que a senhora os guarde fechados à chave, salvo se considerar (segundo a opinião que exprime) que isso o possa ofender.
Ahmed não desejará manter relações com a senhora ou com as suas filhas (excepto sexuais), na medida em que considera que as mulheres são uma espécie de mercadoria sub-humana.
É um assunto particularmente sensível para ele, que é conhecido por manifestar reacções violentas em relação a mulheres que não se submetem aos critérios de vestuário que ele recomenda como mais próprios.
Estou convencido de que, com o tempo, virá a apreciar o anonimato que oferece a burkha. Recorde que isso faz parte do «respeito pelas crenças religiosas», como escreve na sua carta.
Mais uma vez, obrigado pelos seus cuidados. Apreciamos bastante que cidadãos nos indiquem como fazer bem o nosso trabalho e ocupar-nos dos nossos congéneres.
Tome bem conta de Ahmed e lembre-se de que a observaremos.
Boa sorte e que Deus a abençoe.
Cordialmente,
Gordon O'Connor
Ministro da Defesa Nacional


Nada para fazer

Como desempregada, ao fim de poucos dias neste estado ando a tentar não desesperar pela falta de actividade.
Resolvi todos os assuntos que tinha pendentes e agora vou tentar pagar aos bochechos o que falta pagar do meu carro, com a indemnização que estou a receber da empresa também aos bochechos.
É que o meu orçamento mensal levou agora um corte de 300€, parece pouco mas se fizermos as contas são cerca de 4000€ que perco num ano.
Antes que a minha auto-estima desça ao nível zero, resolvi mudar de visual. Virei quase ruiva e gosto de me ver.
Apesar de cota como sou muito alta e magra à conta do ginásio e de comer muitos vegetais, ainda dou nas vistas. É bom sentir isso.

Bem, desejo um bom dia de trabalho aos felizardos, que têm algo que os faça levantar da cama.
Eu sei, quando estamos empregados protestamos sempre por ter de levantar tão cedo e estarmos cansados e não haver tempo para nada, etc.
Mas preferiria mil vezes estar assim com uma ocupação, do que estar de papo para o ar todo santo dia e pior que tudo sem dinheiro.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ser pobre. . .


Cientistas acreditam ter estabelecido uma ligação entre a pobreza e a mutação de um gene que pode explicar porque as mulheres de camadas mais pobres têm menos probabilidades de sobreviver ao cancro da mama.
Os investigadores acreditam que a razão pela qual as mulheres  no mais baixo grupo sócio-económico são "significativamente mais prováveis" de sofrer uma recaída e morrer de cancro da mama, é que o seu estilo de vida pode fazer com que o gene crucial p53 sofra uma mutação.
Em pessoas saudáveis, a proteína p53, que suprime o cancro, é continuamente produzida e degradada  nas células. Mas se o gene se danifica, ou se transforma, então a habilidade do corpo para suprimir tumores é severamente reduzido, disseram os investigadores da Universidade de Dundee.
A pesquisa descobriu os factores associados  com a privação - que inclui  o fumar, beber e uma dieta pouco saudável – poderiam provavelmente fazer a mutação do p53.
O Dr. Lee Baker, do departamento de cirurgia e oncologia molecular, disse que estes factores foram mais comuns em mulheres de baixos grupos sócio-económicos, que também estavam mais propensas a experimentar  a recorrência da doença e a morrer de cancro da mama.
O estudo, publicado este mês no British Journal of Cancer, analisou o tecido de 246 mulheres, tratadas ao cancro da mama, e testado para a mutação do p53. Usou os códigos-postais das pacientes para calcular a “pontuação de privação ".
 

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Muito frio

Nestes últimos dias, tem sido notícia o número de pessoas que tem morrido de frio, não havendo por cá qualquer estatística nem estudo sobre o assunto, que parece não interessar.
"Ninguém conta mortes por frio" a notícia que vem no Diário de Notícias demonstra que não há quem assuma este problema.
Segundo Paulo Diegues, chefe da Divisão de Saúde Ambiental da Direcção-Geral da Saúde: "há muitos factores que confundem as razões da mortalidade, como a gripe ou doenças crónicas" - O primeiro a esquivar-se.
Também José Pedro Pinto, da Santa Casa da Misericórdia: "Ninguém pode afirmar peremptoriamente que foi o frio que matou os idosos. Em Portugal não há mortes documentadas tendo como causa o frio." - Outro que sacode.
Um estudo realizado por especialistas da Universidade de Dublin (Irlanda) concluiu que Portugal é o país da União Europeia onde mais se morre de frio por falta de isolamento das casas.
Mas eu acrescentaria: não será também por Portugal ter a energia eléctrica mais cara e por isso os idosos não terem economicamente possibilidades para se aquecerem?

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Carnaval nos Rebelos

Rebelos é uma freguesia perto da Junqueira, onde eu e o meu homem construímos uma casa,  e que pertence a Alcobaça. 
Como eu estava sem fazer nada, pois o frio intenso não me permitia jardinar, os meus vizinhos levaram-me  a ver o "corso" de Carnaval de Rebelos. 
No fundo foi mais um ajuntamento de amigos e família para se divertirem, e beberem um pouco mais que o habitual, havendo à conta disso cenas hilariantes.
Eis algumas fotos:
Tratamento da Gripe A, com garrafões de vinho tinto que em pouco tempo esvaziaram
 
O desfile de jovem família
  
Os Hello Kitty
  
  
Os comprimidos
  
  
Os palhaços
  
  
Desfile de crianças mascaradas
  
Um lavrador à antiga, mais a sua pinga
  
Os alentejanos, com um assador no tractor iam assando febras e chouriço
  
O burro, o carro do futuro
  
 

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Cura para a dor do amor

Uma farmácia antiga em Tallinn, capital da Estónia promete uma cura doce para corações despedaçados: uma mistura de amêndoas datada de tempos medievais que alegadamente alivia as dores do amor. 
"Desde a Idade Média, uma receita de maçapão especial tem sido preparada e vendida aqui para o coração, para aliviar a dor do amor", disse Ulle Noodapera, farmacêutica, na farmácia Raeapteek que abriu em 1422. É considerada a mais antiga farmácia da Europa, em actividade há 588 anos.
"Continuamos a produzir o maçapão especial, porque a necessidade de tal medicamento tem continuado ao longo dos séculos, e os pacientes com sintomas de dor de amor continuam a vir buscar a cura", disse Noodapera. 
A antiga receita é um segredo zelosamente guardado.  
"Não é maçapão comum, é feita segundo uma receita medieval contendo 72% de amêndoas e 28% de outros ingredientes que não vamos divulgar". 
Uma dose da droga maravilha pesa 40g e custa apenas um euro. 
Entrando nesta loja antiga sentimos como uma viagem na máquina do tempo. 
Juntamente com a cura para corações partidos, numa outra sala na loja são exibidas muitas poções medievais utilizadas durante séculos pelos seus efeitos supostamente milagrosos.  
A maioria desses remédios não são mais vendidos, mas a exibição em prateleiras antigas é impressionante: coxas de rã secas, sangue de gato preto, gordura de lã de ovelha suja, pedaços de múmia, minhocas em óleo, abelhas queimadas, vísceras de lobo e corações de coelho, este último previsto para restaurar a sanidade. 
"Podemos pensar que é engraçado e ridículo, mas havia sempre razões pelas quais eram recomendados pelos médicos na época e vendidos nesta drogaria", observou Noodapera.
 "Por exemplo, aqueles com problemas de visão eram aconselhados a comprar valeriana porque se acreditava que os gatos - conhecidos pela sua muito boa acuidade visual - tinham boa visão porque gostam de valeriana". 
Outro item ainda à venda desde a Idade Média é uma lã de cordeiro, chamada Rosa, destinada a aliviar dores nas costas.  
A farmácia também reflecte o passado multinacional e colorido de Tallinn ao longo dos séculos. Foi aberta por um médico alemão, Johan Molner, em 1422, passou para as mãos de um médico húngaro chamado Johann Burchart Belavary de Sykava em 1580 e foi explorada pela família Burchart nos 300 anos seguintes. 
Hoje, a farmácia Tallinn comercializa também medicamentos modernos e produtos farmacêuticos.   
O remédio mais bem vendido (best-seller) para os turistas, é um vinho chamado Klaret feito segundo uma receita medieval, com oito diferentes temperos e 14% de álcool. Cada garrafa de 0,5 L  custa 16 euros.
Um filme sobre Tallinn, cidade lindíssima que ainda não tive o prazer de conhecer.
Depois de ver o filme, não dá para acreditar que o ordenado mínimo na Estónia é 280€.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Nunca esquecer O Cinto de Segurança

Filme da Sussex Safer Roads Partnership (SSRP) do Reino Unido, que visa alertar e consciencializar de forma emotiva o uso do cinto de segurança.

Embrace Life from Haendel Dantas on Vimeo.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Liberta-te!

QUEBRA AS AMARRAS
DESFAZ OS NÓS
DESATA OS LAÇOS
RETIRA AS MORDAÇAS
PARTE OS GRILHÕES
ABRE OS CADEADOS
REBENTA AS CORRENTES
ESTILHAÇA OS VIDROS DAS REDOMAS QUE TE CERCAM
LIBERTA-TE DO QUE TE OPRIME
GRITA ALTO! GRITA FORTE!
QUEBRA O SILÊNCIO QUANDO ELE TE FOR IMPOSTO
ESCREVE, LUTA, VIVE E, SE FOR PRECISO, RASGA, COM A FORÇA DA TUA MÃO, 
A CAMISA DE FORÇAS QUE TE QUISEREM VESTIR
DEPOIS, SIM, DEPOIS DE SALTARES O MURO
ESCALA A MONTANHA, RESPIRA O AR PURO
SOLTA OS CABELOS AO VENTO E HASTEIA
NO TEMPO A TUA LIBERDADE
Ontem foi o meu último dia de trabalho.
Estranhamente sentia-me aliviada por deixar aquela empresa.
Apesar de amedrontada com o que vai ser a minha vida daqui em diante, estou confiante.
Nem a propósito, quando hoje folheava um livro que me tinham oferecido há imensos anos, encontrei um papel por mim manuscrito com o poema acima e cujo autor desconheço.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

As gaivotas de hoje

Antigamente observávamos gaivotas junto ao mar ou do rio petiscando nas margens, mas ultimamente encontramo-las por toda a parte.
No talho da minha rua em vez de um cão à porta à espera que lhe atirem um osso,  é uma gaivota que pontualmente lá está todas as manhãs, para apanhar com precisão os pedaços de gordura e carne que o talhante lhe atira pelo ar. Até faz impressão estas cenas acompanhadas pelos guinchos da ave, que presumo sejam de satisfação.
Provavelmente o rio e o mar já não lhes dão sustento e têm  forçosamente de  procurar alimento em qualquer parte.
Acontece o mesmo na zona onde ainda trabalho, no Parque das Nações, em que as migalhas que diariamente vamos atirar aos pardais têm sido cobiçadas  e comidas pelas gaivotas,  que em bandos afugentam as pequenas aves, que desaparecem num ápice. 
Será que as gaivotas podendo também comem pardais?
Começaram a aproximar-se
  Pousando
Limparam tudo